RELATÓRIO DO 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE HOMEOPATIA POPULAR COMUNITÁRIA

CONGRESSO

Dia 9 de agosto de 2019
8:35hs – Análise de Conjuntura, com Ênfase para as perspectivas do SUS – SIMONE MARIA BATISTA LEITE (Coordenadora da Comissão de Promoção, Prevenção e PIC’s – Aracaju/SE) & KLEBERSON CARDOSO (IFMT/Várzea Grande/MT)
Professora Simone inicia a programação fazendo uma provocação ao público, que durante 5 minutos levantassem a seguinte problemática: O QUE MAIS TE INCOMODA? O grupo de congressista se dividiu em vários grupos por proximidade para que pudessem então fazer esse levantamento.
Levantados vários pontos que incomodam cada um de nós. Após retorno ao plenário, todos se sentiram desafiados, para que as soluções fossem encontradas por nós mesmos.
Os principais pontos levantados que incomodam o grupo de forma geral foram:
>> SUS
⦁ Dominação do sistema industrial alopático, ofuscando a ação da homeopatia popular
⦁ Falta de liberdade de decisão do cidadão para que seja ele o agente de sua cura
⦁ Liberdade de escolha sobre que tipo de tratamento o usuário se permitirá fazer
⦁ Falta de esclarecimento dos trabalhos do SUS e sua amplitude
⦁ Falta de representatividade popular nos conselhos municipais de saúde
⦁ Políticas voltadas para a base da sociedade
⦁ Insegurança do usuário do SUS sobre diagnósticos e tratamentos
⦁ Demora no tempo de atendimento e diagnóstico clínico

>> SOCIAL E AMBIENTAL
⦁ Desigualdade social
⦁ Silêncio da sociedade frente ao desmonte das políticas públicas
⦁ Liberação criminosa de agrotóxicos proibidos
⦁ Falta da prática da cidadania
⦁ Corrupção
⦁ Insegurança
⦁ Descaso ambiental
⦁ Ansiedade
⦁ Comodismo
⦁ Descaso e destruição da natureza

>> ABHP
⦁ Amadurecimento da ABHP para fazer frente à essas dificuldades
⦁ Incomoda a falta de espaço para clarear e desmistificar a homeopatia

Uma vez provocados, todos os presentes passaram a refletir sobre as alternativas de busca de soluções, e que fosse o debate do congresso pautado nesses problemas.

9:05hs – Kleberson Cardoso – Análise de Conjuntura
Inicia apresentando seus trabalhos na luta contra o retrocesso dos direitos do povo.
Na análise de conjuntura é importante o levantamento das problemáticas sobre o que nos incomoda. Temos que entender o problema, porque ele existe, mas principalmente levar as propostas de como resolvê-los.
O que nos tem incomodado ultimamente é questão da democracia, que vem sendo perdidas na América Latina. Há uma intervenção muito forte do governo norte americano. Há uma movimentação geo política que não tem terreno só no Brasil, mas um conflito internacional.
Houve intervenção do ministério da justiça norte americano sobre o impeachment de Dilma, fragilizando todas as instituições da república. O poder judiciário vem mostrando sua face facista de domínio da sociedade em todos os seus níveis.
Helen Hudd diz que “eu entendo a democracia como o governo sendo do povo, pelo poder do povo, para desafiar os governos de classe”. O governo é de classe e o estado também é de classe. Enxergar o estado como centralizador dos desejos do povo. O governo atual vem mostrando seu lado, que não é o lado da classe trabalhadora. Nesse cenário confuso existe uma coisa que precisamos olhar com cuidado: a burguesia lança mão de todos os recursos para manter sua hegemonia, mas hoje essa hegemonia está dividida, não há consenso.
Qual papel da mídia nesse processo de busca dessa hegemonia? Papel preponderante da mídia no processo do golpe. Em 2013 quando ocorreram as jornadas de junho, com as maiores manifestações populares, quando o povo foi à rua pedir democracia, que iniciou com o movimento do PASSE LIVRE, e foi crescendo a busca pela educação e saúde PADRÃO FIFA. Foi criando um espírito de estranhamento com os políticos de forma geral. A imprensa se aproveita dessas movimentações para reconstruir essa narrativa e veio a onda anti PT.
A mídia foi fundamental no silenciamento da sociedade para chegar à eleição de Bolsonaro. Uma mídia burguesa que começa a se reconjunturar.
Naban Garcia (ministro das relações fundiárias) diz que os maiores latifundiários são os índios. Contraditoriamente há um silencio da mídia com relação ao assassinato do índio no Amapá, e o governo abre a possibilidade para exploração de minérios em territórios indígenas, fazendo dessa terra um nova Serra Pelada.
O cocaína encontrada no avião presidencial foi entendida com uma falta de sorte.
O repasse de emendas parlamentares às vésperas de votações importantes no congresso, é silenciado pela mídia, onde antes era errado e agora todos se silenciam.
O avanço da militarização na saúde e na educação, fica evidente quando os militares invadiram uma reunião de iniciação científica para filmar os palestrantes.
Exercício de resistência e de enfrentamento à democracia institucional. De fragilização a um estado de agonização da democracia.
Volta do sarampo, devolução de carne de frango com salmonela, que voltou para ocupar o espaço no mercado nacional, para não se perder.
A FIOCRUZ levanta a contaminação da água potável por agrotóxicos, e mostra o incremento alarmante da presença de veneno na água. 97% dos testes foram positivos nas análises, sendo 21 presentes que são proibidos na união Europeia por serem potencialmente agressivos à saúde e má formação fetal e cancerígeno.
A nova direita colocada no Brasil: neoliberalismo e conservadorismo como paradigmas de pensamentos separados, e que passam a se unir para erguer esse novo pensamento entre o povo. A NOVA DIREITA se organiza no Brasil para disputar a hegemonia, num momento que os ânimos estão inflamados, com polarização muito forte, com sensação que a campanha eleitoral ainda não acabou. O instituto liberal é um organização financiada por bancos e empresas nacionais para formação de novos líderes, o que nos faz entender que novas figuras revestidas de auras progressistas são construídos dessa forma como a deputada TABATA AMARAL: jovem próspera no que toca a educação de qualidade, de uma jovem que vem da escola pública, que sai da vila missionária e que alcança Havard, o que nos trás uma imagem da jovem vencedora, mas que por trás, esconde um aparelhamento privado de hegemonia que agem clandestinamente dentro dos movimentos políticos: Fundação Leman, Fundação Itaú Cultural, Fundação Airton Senna. O político é eleito não pelos princípios partidários, mas para trabalhar para essa fundações.
Convencimento de que o que é público está fracassado e por isso tem que ser privatizado.
Organizar para resistência e para o enfrentamento ao governo e às políticas públicas que estão sendo impostas para o povo. Não vejo comodismo quando o grupo consegue reunir pessoas de diferentes estados e países para defender os interesses da homeopatia.

Palavra passada ao público para uma breve avaliação >> professor Moreno: a fala de defeitos que temos no Brasil é imensa e são históricos, mas acho que ainda não encontramos a “solucionática”. O problema do Brasil só se resolve com homeopatia e terapias naturais. Quando harmonizar o povo brasileiro.
Teresinha (RS) >> proponho um abaixo assinado do congresso para ser encaminhado aos deputados que defendem nossa causa. As crianças ficam doentes porque não querem aprender e serem educados como nossos pais nos educaram. Importante uma moção desse encontro de apoio às práticas integrativas.
Marcos (RS) >> proposta de um projeto de lei de cunho popular de apoio às práticas ancestrais e reconhecidas como patrimônio da humanidade. Precisamos ir para o ataque, não dá para ficar só na resistência. A ABHP precisa puxar as organizações populares para resistir, avançar e mostrar nossos resultados, que muito nos orgulham.
https://congripics2.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


+ 8 = dezessete